Menu Fechar

A propósito do relatório sobre a ADSE

Miguel Sousa Neves, Presidente da Direção da Sociedade Portuguesa de Gestão de Saúde, refere que:

  1. Num país diferente as dívidas acumuladas por várias entidades das ilhas aos privados nos últimos anos já teriam sido saldadas permitindo que o Conselho Diretivo da ADSE soubesse exatamente com o que conta no presente e com o que poderá contar numa perspetiva de cobranças futuras;
  • Que a entrada de novos beneficiários, mediante vários estudos já efetuados, deverá iniciar-se logo que possível e alargado a todos os funcionários que tenham entrado para instituições públicas nos últimos 5 a 10 anos, permitindo assim a entrada de jovens que poderão apoiar a sustentabilidade da ADSE e equilibrar a pirâmide etária dos beneficiários/contribuintes;
  • Que o controlo sobre a faturação deve ser extremamente rigoroso eliminando possibilidades de sobrefaturações difíceis de controlar e que o mesmo terá que passar forçosamente pela aplicação de “preços fechados” a quase todos os procedimentos cirúrgicos, à semelhança da maioria das seguradoras do mercado;
  • Que todos os pedidos de comparticipação acima de um determinado valor deverão vir acompanhados de declaração médica apontando clara e inequivocamente o custo – efetividade e custo – qualidade dos mesmos sendo que esta medida deverá ser ainda mais rigorosa no regime livre da ADSE onde os pedidos de reembolso são à posterior;
  • E por fim lembrar que este seguro de saúde deverá ser mantido no âmbito dos funcionários públicos a médio prazo e com as medidas necessárias de auto-sustentação pois ainda é o melhor seguro de saúde existente em Portugal e um dos melhores a nível mundial pois trata toda a patologia relevante sem plafond e sem condicionamentos com exceção daqueles que deverão existir na restrição ao tratamento apenas da doença e na forma que a medicina baseada na evidência mais recente assim o indicar apoiando-se sempre que possível nos estudos e recomendações de tratamento de organizações reconhecidas e imparciais como a NICE: National Institute of Health and Care Excellence.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *