Siga-nos no Facebook

Total de Visitas: 210656

Renovação do parque informático

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Quinta-feira Set 21, 2017

ARS Norte vai concluir instalação de 3.300 computadores.

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte informa que os 3.300 computadores e as duas novas aplicações informáticas que integram o plano de renovação do parque informático da Região de Saúde Norte devem estar integralmente instaladas no início de novembro.

Em comunicado, a ARS do Norte esclarece que a primeira fase de instalação – num total de 1.200 computadores – foi concluída no primeiro semestre de 2017 e versou Barcelos-Esposende, Gondomar, Porto Ocidental, Famalicão, Marão e Douro Norte, Baixo Tâmega, Vale do Sousa Norte e Sul, Póvoa de Varzim-Vila do Conde e Espinho-Gaia.

Em curso está a instalação dos restantes 2.100, que abrangerá Alto Ave, Douro Sul, Santa Maria da Feira-Arouca, Aveiro Norte, Vila Nova de Gaia e Santo Tirso-Trofa.

Esta renovação representa um investimento de 1,7 milhões de euros e decorre do plano de investimentos efetuados e a efetuar pelo Ministério da Saúde. «Após o levantamento de necessidades, há muito manifestadas na região, foi decidido, em 2016, acelerar a renovação do parque informático e dotar os cuidados de saúde primários de 3.300 novos computadores e duas novas aplicações informáticas», indica o comunicado.

Uma das aplicações versa a área dos meios complementares de diagnóstico e a outra destina-se à área da qualidade e gestão documental nos vários níveis da prestação dos cuidados de saúde primários.

Esta decisão insere-se, por um lado, na consecução da reforma que está a ser levada a efeito e, por outro, no papel preponderante que as novas tecnologias cada vez mais assumem na sociedade e no Serviço Nacional de Saúde.

Simplificados os procedimentos administrativos, estes contribuem para uma diminuição do tempo despendido pelos cidadãos no seu contacto com os centros de saúde.

Para saber mais, consulte:

Fonte: Portal SNS


ARSLVT anuncia contratação médica

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Segunda-feira Set 18, 2017

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) anunciou esta sexta-feira a abertura de um concurso para a contratação de médicos com 218 vagas, sendo cerca de 25% destinadas à Península de Setúbal.

“O concurso para a contratação de recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar já foi aberto. Das 218 vagas previstas para a ARSLVT, quase 25% são para a Península de Setúbal, o que permitirá aumentar o número de utentes com médico de família atribuído”, refere a ARSLVT em comunicado.

Para a Península de Setúbal estão previstos mais de 50 médicos de medicina geral e familiar, sendo 17 para o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada-Seixal, 18 para o ACES Arco Ribeirinho e 18 para o ACES Arrábida.

“Estas vagas, a serem preenchidas, vão permitir a atribuição de médico de família a mais cerca de 90 mil utentes. Este concurso dá continuidade ao compromisso assumido pela ARSLVT de melhorar a resposta assistencial aos utentes”, acrescenta o documento.

A ARSLVT salienta que tem procurado “reforçar, sempre que possível, o número de profissionais nas várias unidades”, dando o exemplo do Centro de Saúde da Baixa da Banheira, no distrito de Setúbal, com mais horas médicas.

Fonte: Jornal Médico


Coimbra abre 46 vagas em cuidados continuados integrados em Saúde Mental

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Quinta-feira Set 14, 2017

A Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) disponibiliza, a partir de sexta-feira, 46 vagas em cuidados continuados integrados em Saúde Mental, através de dois projetos-piloto a desenvolver nos municípios de Coimbra e Penela.

“São dois projetos-piloto que vinham a identificar necessidades evidentes nesta área, que representam um investimento de 557.923 euros”, afirmou à Agência Lusa o presidente da ARSC, José Tereso.

Com duração de um ano, os projetos são desenvolvidos pela Fundação Beatriz Santos (Coimbra), que tem atribuídas 30 vagas em unidade sócio ocupacional e oito vagas na equipa de apoio domiciliário, e pela Associação Quinta das Pontes (Penela), com oito vagas em residência de apoio moderado.

Segundo José Tereso, “com a experiência adquirida nestes dois projetos-piloto, vai-se tentar ampliar o número de vagas no próximo ano”.

Nesta área dos cuidados continuados em saúde mental, o presidente da ARSC revelou que existem 32 candidaturas em análise na região, “umas com viabilidade e outras inviáveis, por não obedecerem ao cumprimento da legislação”.

A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados na região Centro tem atualmente uma capacidade de oferta de 2308 camas destinadas a internamento e 826 vagas para apoio domiciliado, distribuídas por 66 equipas de cuidados continuados integrados, iniciando, a partir de sexta-feira, o seu alargamento à área da saúde mental.

As 46 vagas disponíveis serão suportadas financeiramente pelo Ministério da Saúde e Centro Distrital de Coimbra da Segurança Social.

Fonte: Jornal Médico


Ministério vai contratar mais 290 médicos

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Terça-feira Set 12, 2017

O Ministério das Finanças autorizou o Ministério da Saúde a contratar 290 clínicos de medicina geral e familiar para exercer em serviços e estabelecimentos de saúde e respetivas unidades funcionais considerados carenciados destes profissionais.

De acordo com um despacho conjunto dos ministérios das Finanças e da Saúde, publicado em Diário da República, a Saúde está autorizada a contratar 290 médicos especialistas em medicina geral e familiar, mediante celebração de contratos de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado ou contrato individual de trabalho sem termo.

O despacho adianta que a medida dispensa a obrigatoriedade definida no Orçamento do Estado para 2017 de serem iguais ou inferiores aos registados em 31 de dezembro de 2016 os gastos com pessoal.

Também é publicado em Diário da República um despacho que identifica os serviços e estabelecimentos de saúde e respetivas unidades funcionais como carenciados, na área de Medicina Geral e Familiar.

O objetivo desta identificação é “a abertura de procedimento concursal, no sentido de poderem vir a ser constituídas até 290 relações jurídicas de emprego”.

Segundo este documento, importa viabilizar a contratação destes profissionais, “com a maior celeridade possível, permitindo, assim, a sua colocação nos serviços e estabelecimentos onde se denotem as maiores carências deste grupo de pessoal com as qualificações profissionais aqui em causa”.

Apesar da autorização das Finanças para a contratação de 290 médicos, foi disponibilizado “um número de unidades funcionais superior ao de postos de trabalho a preencher, termos em que se identificam 317 potenciais locais de colocação”.

Fonte: Jornal Médico


Consulta Pública – Proposta de modelo de organização da prestação de cuidados na área da psicologia no Serviço Nacional de Saúde

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Quinta-feira Set 7, 2017

O XXI Governo Constitucional estabeleceu como prioridade estratégica o aperfeiçoamento da gestão dos recursos humanos e a motivação dos profissionais de saúde.
Neste contexto, e de forma a prosseguir estes objetivos, o Ministério da Saúde tem vindo a desenvolver uma discussão alargada com as várias Ordens Profissionais do setor da saúde tendo em vista a construção de uma estratégia para o Desenvolvimento e Sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde.

No âmbito da definição dessa visão, foi reconhecida a importância de desenvolver modelos de organização para a prática da psicologia, garantido a devida adequação com os serviços de psiquiatria, pedopsiquiatria e saúde mental, numa filosofia de equipas multidisciplinares em saúde, centradas no cidadão.

Neste âmbito, o Grupo de Trabalho, constituído pelo Despacho n.º 13278/2016, de 7 de novembro, elaborou uma proposta de modelo de organização da prestação de cuidados na área da psicologia no Serviço Nacional de Saúde, estando a mesma disponível para Consulta Pública, aqui.

Pretende-se assim a participação de todos os cidadãos, em especial dos destinatários deste plano, aproximando assim decisores, profissionais e utentes, conferindo a este processo maior transparência e credibilização.

Fonte: Portal SNS