Siga-nos no Facebook

Total de Visitas: 228804

Ministério e Sindicatos dos Enfermeiros assinam acordo para melhoria dos contratos de trabalho

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Quarta-feira Jan 17, 2018

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) assinou, esta sexta-feira, dia 12 de janeiro, no Ministério da Saúde, um Instrumento Parcelar e Transitório de Regulamentação Coletiva de Trabalho com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, o Sindicato dos Enfermeiros e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem.

Este instrumento aplica-se aos enfermeiros com contrato individual de trabalho e visa uniformizar as condições de trabalho relativamente aos enfermeiros com contratos de trabalho em funções públicas em áreas como procedimentos concursais, avaliação do desempenho e período normal de trabalho.

Este acordo dá cumprimento ao compromisso assumido pelo Governo de assegurar a harmonização dos dois regimes de vinculação que coexistem no seio do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e demonstra também o empenho no investimento e valorização dos profissionais. Contribui também para a manutenção de um nível de prestação de cuidados de saúde de qualidade que o SNS se orgulha de poder prestar.

Leia o artigo completo em: https://www.sns.gov.pt/noticias/2018/01/12/acordo-com-enfermeiros/?utm_term=Portal+SNS++Newsletter+02%2F2018&utm_campaign=Newsletter++Portal+SNS&utm_source=e-goi&utm_medium=email


Proposta de criação de um sistema básico de navegação para pequenas e médias empresas de Saúde ou como “sobreviver” nos tempos de hoje

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Sábado Jan 13, 2018

Para que uma empresa tenha sucesso ela tem que planear um caminho e desenvolver estratégias para obter os resultados desejados.

Durante muitos anos, os médicos, utilizando consultórios ou pequenas empresas de saúde como complemento do seu trabalho no SNS, não precisavam de planear as suas carreiras na prática privada. A concorrência era mínima e estava controlada pela dimensão relativamente pequena da sua atuação. Hoje em dia, com o advento das grandes empresas fornecedoras de serviços de saúde, há que rever o modo de funcionamento partindo do pressuposto de que a relação médico-paciente é fulcral desde que acompanhada por uma qualidade elevada e continuada de prestação de serviços.

Leia o artigo completo, da autoria de Miguel Sousa Neves, médico especialista em Oftalmologia e mestre em Gestão de Serviços de Saúde, publicado na Edição nr.22 da Revista Portuguesa de Gestão & Saúde:


(Contains 1 attachments.)

Estudo para prevenção de infeções hospitalares desenvolvido em Coimbra

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Terça-feira Jan 9, 2018

Um contributo para a prevenção de infeções hospitalares é o objetivo do estudo sobre “as condições propícias à colonização e multiplicação de estirpes de bactérias” em ambiente hospitalar que foi desenvolvido na Universidade de Coimbra (UC).

“Conhecer as condições ambientais hospitalares propícias à colonização e multiplicação de estirpes de bactérias responsáveis por infeções nosocomiais, bem como a sua distribuição espacial, foi o objetivo de um estudo microbiológico”, realizado em dois hospitais da região Centro.

A investigação foi desenvolvida por uma equipa multidisciplinar de profissionais de saúde e de investigadores da UC e do Instituto Piaget, liderada por Paula Morais, do Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de Ciências e Tecnologia daquela Universidade (FCTUC).

Os especialistas estudaram a dispersão das bactérias no ambiente hospitalar com ênfase no grupo de “bactérias com elevado impacto nas infeções nosocomiais, designadamente ‘pseudomonas aeruginosa’ (a espécie responsável pelo maior número de infeções nosocomiais), estirpes de ‘klebsiella’ (conhecidas pelo número de multirresistência que têm vindo a desenvolver ao longo do tempo) e ‘micobactérias não-tuberculosas’, como um novo grupo problemático de bactérias”.

Leia o artigo completo em: http://www.jornalmedico.pt/atualidade/34580-estudo-para-prevencao-de-infecoes-hospitalares-desenvolvido-em-coimbra.html


Reclusos vão integrar rede de cuidados de saúde

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Domingo Jan 7, 2018

Os reclusos vão passar a estar abrangidos por uma rede de referenciação de prestação de cuidados de saúde hospitalares em casos de infeção por VIH e hepatites virais, segundo um despacho publicado no passado dia 05 de janeiro em Diário da República.

O despacho conjunto dos ministérios da Justiça e da Saúde, que entra em vigor a 4 de fevereiro, estabelece um modelo que permite a deslocação dos profissionais de saúde dos hospitais aos estabelecimentos prisionais e aos centros educativos para prestarem cuidados de saúde à população reclusa.

Esta rede de referenciação surge como modelo de prevenção, diagnóstico e tratamento dos reclusos enquanto utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), em matéria de doenças infecciosas, como a infeção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) e pelos vírus da hepatite.

Saiba mais em: http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/prisoes/reclusos-vao-integrar-rede-de-cuidados-de-saude-por-causa-do-vih-e-hepatites


Maioria dos hospitais com excelência clínica, mas conforto piora

Publicado por Dr Miguel Sousa Neves em Sábado Jan 6, 2018

A maioria dos 159 hospitais avaliados pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS) em 2017 obteve classificação de excelência clínica, cumprindo todos os critérios de qualidade exigidos, mas na área do conforto das instalações as unidades estão a piorar.

O Sistema Nacional de Avaliação em Saúde da Entidade Reguladora (SINAS), cuja segunda avaliação de 2017 foi divulgada nesta sexta-feira, é um sistema que afere a qualidade global dos estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde, neste caso das unidades hospitalares.

Na dimensão de excelência clínica, dos 159 estabelecimentos abrangidos 127 tiveram classificação. Destes, 112 (70%) conseguiram a atribuição da estrela correspondente ao primeiro nível de avaliação.

Das unidades avaliadas, 87 são públicas, 47 privadas e 26 pertencem ao sector social.

Leia o artigo completo em: https://www.publico.pt/2018/01/05/sociedade/noticia/maioria-dos-hospitais-com-excelencia-clinica-mas-conforto-piora-1798290